Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/12444
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2013_EduardoGoncalvesdeMoura.pdf282,03 kBAdobe PDFver/abrir
Título: Confiabilidade da mensuração do valor justo na indústria bancária : análise da hierarquia do valor justo dos instrumentos financeiros
Autor(es): Moura, Eduardo Gonçalves de
Orientador(es): Dantas, José Alves
Assunto: Bancos
Demonstrações financeiras
Data de apresentação: 2013
Data de publicação: 17-Mar-2016
Referência: MOURA, Eduardo Gonçalves de. Confiabilidade da mensuração do valor justo na indústria bancária: análise da hierarquia do valor justo dos instrumentos financeiros. 2013. 42 f., il. Trabalho de conclusão de curso (Bacharelado em Ciências Contábeis)—Universidade de Brasília, Brasília, 2013.
Resumo: Este trabalho teve por objetivo analisar a distribuição dos níveis de hierarquia do valor justo dos instrumentos financeiros nas instituições bancárias brasileiras, no intuito de avaliar o grau de confiabilidade das informações divulgadas. Além da composição entre os níveis, foi verificado, também, como essa distribuição tem evoluído ao longo dos anos. Tomando por base a Resolução CMN nº 3.786/2009 – que define quais instituições bancárias devem apresentar demonstrações no padrão IFRS – foi selecionada uma amostra de 34 instituições bancárias brasileiras, tendo por critério todas aquelas que listadas na BM&FBOVESPA ou que compõem o conjunto dos quinze maiores bancos que atuam no Brasil. Os testes empíricos realizados com base na média ponderada das informações dos instrumentos financeiros entre os anos de 2010 e 2012 revelaram que cerca de 67% dos ativos financeiros mensurados a valor justo estão classificados no nível 1, o de maior grau de confiabilidade. Não é desprezível, porém, a proporção das mensurações dos ativos financeiros classificados nos níveis 2 e 3, que somam mais de 30%. Com relação aos passivos financeiros mensurados a valor justo, foi verificado que estes estão em grande parte mensurados no nível 2 – mais de 50% –, o que é interpretado de forma negativa, por não representar efetivamente o preço de mercado, e sim estimativas baseadas em instrumentos similares ou modelos de precificação.
Informações adicionais: Trabalho de conclusão de curso (graduação)—Universidade de Brasília, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais, Bacharelado em Ciências Contábeis, 2013.
Aparece na Coleção:Ciências Contábeis



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons