Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/11388
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2015_FabianodeBritoVillela.pdf555,84 kBAdobe PDFver/abrir
Título: Parcerias estratégicas do Brasil
Autor(es): Villela, Fabiano de Brito
Orientador(es): Santos, Maria Helena de Castro
Assunto: Relações internacionais
Política externa - Brasil
Política internacional
Data de apresentação: 2015
Data de publicação: 11-Nov-2015
Referência: VILLELA, Fabiano de Brito. Parcerias estratégicas do Brasil. 2015. 79 f. Monografia (Especialização em Relações Internacionais)—Universidade de Brasília, Brasília, 2015.
Resumo: As parcerias estratégicas do Brasil avultaram de importância com o fim da Guerra Fria e a transição que se opera na distribuição de poder do Sistema Internacional. Com o desmantelamento da URSS e o surgimento de novos polos regionais de poder como a União Europeia, a China, a Índia, a Rússia e o próprio Brasil, esta em processo de reconfiguração ainda não terminado a nova distribuição de poder mundial. As relações internacionais, amistosas ou conflituosas, diversas vezes levadas ao extremo para resolução de controvérsias através das guerras, atualmente são exploradas e exercidas nas Organizações e Organismos Internacionais como ONU, OMC, FMI e Banco Mundial bem como nos Fóruns e Grupos decisórios tais como G-8, G-20, BRICS e IBAS. Entretanto, como todo período de transição, essa reconfiguração de poder mundial ocorre com avanços e retrocessos, e surgem as parcerias estratégicas que podem variar de arranjos temporários e pragmáticos a fim de se atingirem interesses nacionais imediatistas, bem como as parcerias estratégicas estáveis com vistas à consolidação de objetivos nacionais de longo prazo. As parcerias estratégicas podem ser entendidas como relações políticas e econômicas prioritárias reciprocamente remuneradoras, construídas a partir de um patrimônio de relações bilaterais universalmente configuradas. A partir da direção universalista de nossa política externa, acompanhada por um contínuo pragmatismo, o Brasil possui um conjunto de parcerias estratégicas denominadas de tradicionais com as quais o Brasil construiu o seu histórico de desenvolvimento nacional e das quais recebeu maior influência desde a sua independência com EUA, União Europeia e América do Sul e as novas parcerias estratégicas, denominadas de emergentes, estabelecidas com China, Rússia, e Índia as quais aumentaram de importância simultaneamente com o crescimento e expansão econômicos do continente asiático, o qual vem se transformando em uma nova região de importância política e estratégica de dimensão global. ______________________________________________________________________________ ABSTRACT
Strategic partnerships in Brazil had improved right after the Cold War and the transition that operates in the distribution of power of the International System. With the collapse of the USSR and the emergence of new regional centers of power such as the European Union, China, India, Russia and Brazil itself, this reconfiguration process has not finished at the new distribution of global power. International, friendly or conflicting relationships, repeatedly taken to the extreme for resolution of disputes through wars, are currently explored and exercised in International Organizations such as the UN, WTO, IMF and World Bank as well as in forums and decision-making groups such as G -8, G-20, BRICS and IBSA. However, like any transition period, this reconfiguration of global power occurs with advances and setbacks, and strategic partnerships emerge as forums that can range from temporary and pragmatic arrangements in order to achieve short-sighted national interests as well as the stable strategic partnerships with the consolidation of long-term national goals. Strategic partnerships can be understood as priority political and economic relations mutually remunerative, built from a heritage of universally configured bilateral relations. From the universal direction of our foreign policy, accompanied by a continuous pragmatism, Brazil has a number of strategic partnerships called traditional, which Brazil has built its national development and history and received greater influence since independence with US, European Union and South America and new strategic partnerships, called emerging, established with China, Russia, and India which increased importance simultaneously with the growth and economic expansion of the Asian continent, which has been transformed into a new area of political and strategic importance of global dimension.
Informações adicionais: Monografia (especialização)—Universidade de Brasília, Instituto de Relações Internacionais, 2015.
Aparece na Coleção:Relações Internacionais - Especialização



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons